segunda-feira, 19 de agosto de 2013

12 missões espaciais para acompanhar


O programa do ônibus espacial da Nasa acabou no ano passado, mas isso não significa que não haverão outros lançamentos fantásticos em 2012.
Pelo contrário: de viagens espaciais turísticas e naves privadas que irão visitar a Estação Espacial Internacional até um pouso em Marte e um laboratório espacial chinês tripulado, grandes viagens é o que não vão faltar neste ano.
Dê uma olhada nesta lista e confira 12 missões espaciais que você não pode deixar de acompanhar em 2012.

1. Seres humanos vão continuar no espaço


Como já acontece há mais de uma década, pessoas serão enviadas para a Estação Espacial Internacional para manter a presença humana no espaço que tem sido constante desde o ano 2000.
Doze pessoas devem viajar a Estação Espacial Internacional em quatro lançamentos diferentes neste ano. Esses homens e mulheres vão passar cerca de seis meses no espaço, podendo fazer experiências em um laboratório único já feito por humanos.

2. Sondas pelo sistema solar (e fora dele)


Muitas das sondas robóticas que estão explorando o sistema solar irão atingir suas metas neste ano.
A sonda Cassini, que está orbitando Saturno desde 2004, vai fazer vôos rasantes múltiplos nas luas Titã e Encélado e vôos mais distantes em vários outros satélites do planeta, incluindo Helene, Mimas, Jano, Polideuces, Telesto, Palene e Dione.
A missão Messenger, da Nasa, irá continuar os estudos no planeta mais próximo do sol, Mercúrio. E a missão New Horizons, lançada em 2006, vai se aproximar de Plutão como nenhuma nave já conseguiu fazer. A New Horizons deve atingir sua meta em 2015.
Nesse meio tempo a sonda Opportunity, da Nasa, continuará sua missão, enquanto a distante sonda Voyagern continua seu caminho para fora do sistema solar.

3. Novas adições na Estação Espacial Internacional


A Estação Espacial Internacional tem o tamanho de um campo de futebol e custou aproximadamente 185 bilhões de reais. Ela foi construída pelos Estados Unidos, Rússia, Agência Espacial Europeia, Japão e Canadá.
Em maio de 2012, a Rússia vai lançar o Módulo do Laboratório Multifuncional, que será adicionado à estação espacial, substituindo compartimentos mais antigos. O novo módulo irá abrigar experimentos científicos e também irá servir para área de descanso da tripulação.

4. Aterrissagem do avião espacial de espionagem dos EUA


A Força Aérea dos EUA tem uma sonda de espionagem secreta chamada X-37B em órbita. O veículo espacial não tripulado foi lançado no topo do foguete Atlas 5 na Flórida, em 5 de março de 2011.
Apenas o segundo de seu tipo, o X-37B foi programado para uma missão de nove meses, mas já superou esse objetivo. O veículo deve voltar para a Terra em 2012 e é possível que outra nave do tipo seja lançada ainda este ano.

5. Testes do Dream Chaser iniciam este ano


O Dream Chaser é uma nave espacial privada construída nos Estados Unidos. A nave é uma tentativa de servir de transporte para astronautas da Nasa rumo a Estação Espacial Internacional.
Em 2012, será feito um teste para quedas de grandes altitudes para avaliar as capacidades de pouso da nave. Se a Dream Chaser mostrar que pode ser perdida na volta para o chão ou apresentar falhas ela será descartada.

6. Nave da Nasa irá pousar em Marte


 O veículo explorador Curiosity, da Nasa, peça central da missão Mars Science Laboratory (MSL), deve chegar ao planeta vermelho em 6 de agosto de 2012 e é uma das missões mais esperadas do ano.

7. Rumo ao asteróide Ceres


A sonda Dawn, que tem orbitado o enorme asteróide Vesta, vai em direção de outra gigantesca rocha espacial em julho deste ano: Ceres.
A Nasa lançou a Dawn em 2007 em uma missão para visitar os maiores asteróides do cinturão de asteróides entre Marte e Júpiter. Dawn só deve chegar em Ceres em 2015. Até lá, ela continua dando voltas e nos mandando incríveis vistas de Vesta durante grande parte deste ano.

8. LightSail-1, uma nova vela solar


LightSail-1 é uma nave vela solar não tripulada que está sendo desenvolvida pela Planetary Society, uma organização sem fins lucrativos que defende a exploração espacial.
A Planetary Society tem tentado repetidamente lançar uma vela solar em órbita, e o LightSail-1 é um dos três veículos planejados pelo grupo.
A espaçonave é composta por três naves espaciais em forma de cubo e deve ser lançada ainda este ano.

9. Sondas Grail chegam à lua


A Nasa começou o ano com a chegada de duas novas sondas não tripuladas à lua. As duas sondas gêmeas Grail chegaram ao satélite no dia 31 de dezembro em uma missão que custou mais de 912 milhões de reais. As sondas irão mapear a lua por pelo menos três meses.

10. Primeiro laboratório espacial chinês tripulado


Em 2011, a China lançou seu primeiro laboratório espacial com êxito. Astronautas chineses devem viajar para o laboratório este ano durante as próximas missões.

11. Turismo espacial cada vez mais próximo

O turismo espacial suborbital da empresa Virgin Galactic, criada pelo bilionário britânico Richard Branson, dará um grande salto em 2012. Especialistas antecipam que a nave da Virgin Galactic irá realizar seu primeiro teste de vôo neste ano.
A nave da Virgin Galactic irá voar com passageiros que desembolsarem cerca de 370 mil reais para passeios no espaço.

12. Dragon e Cygnus irão visitar a Estação Espacial Internacional


Em 2012, a primeira nave privada deve fazer sua viagem inaugural para a para a Estação Espacial Internacional. A cápsula SpaceX Dragon deve ser lançada no topo de um foguete no dia 7 de fevereiro.
Outra nave espacial privada, a cápsula Cygnus, também deve fazer sua estreia em 2012. Ela deverá ir para o espaço em maio.

Fonte: HypeScience

Hubble explora as origens das galáxias modernas


Os astrônomos utilizaram observações de pesquisa CANDELS do Hubble para explorar os tamanhos, formas e cores de galáxias distantes nos últimos 80% da história do Universo. No Universo hoje galáxias vêm em uma variedade de formas diferentes, e são classificadas por meio de um sistema conhecido como a seqüência de Hubble - e verifica-se que esta seqüência já em vigor foi tão cedo quanto 11 bilhões de anos atrás.
 Ele Hubble Sequence classifica as galáxias de acordo com a sua morfologia e atividade de formação de estrelas, organizando-os em um jardim zoológico cósmico da espiral, formas elípticas e irregulares com os braços girando, halos difusos e protuberâncias centrais brilhantes. Dois tipos principais de galáxia são identificados nesta seqüência: elíptica e espiral, com um terceiro tipo, lenticular, fixando-se em algum lugar entre os dois.
 Isto descreve com exatidão o que vemos na região do espaço que nos cerca, mas como é que a mudança morfologia galáxia como nós olhamos mais para trás no tempo, para quando o Universo era muito jovem?
 "Esta é uma questão fundamental: quando e em que escala de tempo fez a forma de seqüência de Hubble?" diz BoMee Lee, da Universidade de Massachusetts, EUA, principal autor de um novo estudo a explorar a seqüência. "Para fazer isso, você precisa observar distantes galáxias e compará-los com os seus parentes mais próximos, para ver se eles também podem ser descritas da mesma maneira."
 Os astrônomos usaram o Hubble para olhar 11000000000 anos de volta no tempo para quando o Universo era muito jovem, explorando a anatomia das galáxias distantes.
While it was known that the Hubble Sequence holds true as far back as around 8 billion years ago [1], these new observations push a further 2.5 billion years back in cosmic time, covering a huge 80% of the past history of the Universe. Previous studies had also reached into this epoch of the cosmos to study lower-mass galaxies, but none had conclusively also looked at large, mature galaxies like the Milky Way. The new CANDELS observations confirm that all galaxies this far back — big and small alike — fit into the different classifications of the sequence.
"Este é o único estudo abrangente até hoje de a aparência visual das grandes galáxias massivas que existiam até agora de volta no tempo", diz o co-autor Arjen van der Wel, do Instituto Max Planck de Astronomia em Heidelberg, Alemanha. "As galáxias parecem notavelmente maduro, o que não é previsto por modelos de formação de galáxias é o caso que no início da história do Universo."
 As galáxias nesses tempos parecem ser dividida entre o azul galáxias de formação estelar, com uma estrutura complexa - incluindo discos, bojos e aglomerados bagunçados - e enormes galáxias vermelhas que não são mais estrelas em formação, como visto no Universo próximo [2] .
 As galáxias mais maciças que a Via Láctea ou mais são bastante raros no Universo jovem. Essa escassez tem impedido estudos anteriores de ser capaz de coletar uma amostra grande o suficiente de galáxias maduras para descrever adequadamente as suas características.
O que era necessário era um conjunto sistemático de observações como as de pesquisa CANDELS do Hubble, que era grande o suficiente para permitir que os astrônomos para analisar um maior número dessas galáxias de forma consistente, e em detalhes [3]. Com Wide Field Camera 3 de Hubble (WFC3), os astrônomos foram capazes de observar, na parte infravermelha do espectro para ver como as galáxias apareceu em sua visível resto-frame [4], que é mais fácil de comparar com as galáxias em nossa vizinhança.
 "A enorme CANDELS conjunto de dados foi um grande recurso para nós usarmos a fim de estudar de forma consistente antigas galáxias no Universo primitivo", conclui Lima. "E a resolução e sensibilidade de WFC3 do Hubble é incomparável nos comprimentos de onda infravermelhos necessários para realizar este estudo O Hubble Sequence sustenta muito do que sabemos sobre como as galáxias se formam e evoluem -. Encontrando-se em lugar tão longe para trás é uma descoberta significativa".
  
Notas
 
[1] Estudos anteriores analisaram as proporções dos diferentes tipos de galáxias volta no tempo (heic1002). A mistura de espiral, elíptica, lenticular e galáxias peculiares é diferente de hoje, com um grande número de mais peculiares do universo distante do que vemos nas proximidades.

[2] Em um recente artigo relacionado, Alice Mortlock e colaboradores teve uma abordagem diferente, mas complementares, classificando estas galáxias distantes por inspeção visual. Eles descobriram que os tipos de galáxias que vemos na seqüência de Hubble são bem definidos em termos de cor, estrutura, e as taxas de formação de estrelas a distâncias muito grandes de nós, mas que a sua morfologia ainda está em desenvolvimento. Embora a morfologia de uma galáxia pode ser a propriedade definitiva para resolver, os fundamentos da seqüência de Hubble são definidos muito mais cedo.

[3] CANDELS, a Assembleia Cosmic Pesquisa Legado Extragalática Deep-infravermelho próximo, é o maior projeto da história do Hubble, com 902 órbitas atribuídas de tempo de observação. Ele está sendo realizado com duas câmeras a bordo do Hubble - WFC3 e ACS - e tem como objetivo explorar a evolução galáctica no início do Universo, e as primeiras sementes da estrutura cósmica em menos de um bilhão de anos após o Big Bang.

[4] Os estudos anteriores sobre este período da história cósmica não foram conclusivos quanto eles estavam limitados a luz visível, mostrando apenas a emissão ultravioleta desvio para o vermelho das galáxias, o que evidencia a formação de estrelas. Como esta formação estelar dominou as observações, as galáxias pareciam ser agrupado e confuso, sem nenhuma semelhança com as formas de galáxias que vemos ao nosso redor hoje. Ao empurrar para a parte infravermelha do espectro que os astrônomos puderam observar como essas galáxias distantes aparecem em sua estrutura resto visível (que agora está redshifted).
 
Notas para os Editores
  
O Telescópio Espacial Hubble é um projeto de cooperação internacional entre a ESA ea NASA.
Estes resultados são descritos em um artigo intitulado "CANDELS: A correlação entre a morfologia galáxia e atividade de formação de estrelas como Z ~ 2", para aparecer em The Astrophysical Journal.
[1] A equipe internacional de astrônomos neste estudo consiste em B. Lee (University of Massachusetts, EUA), M. Giavalisco (University of Massachusetts, EUA), CC Williams (University of Massachusetts, EUA), Y. Guo (Universidade da Califórnia, EUA), J. Lotz (Space Telescope Science Institute, em Baltimore, EUA), A. van der Wel (Instituto Max Planck para a Astronomia, Heidelberg, Alemanha), HC Ferguson (Space Telescope Science Institute, em Baltimore, EUA), S. M Faber (Universidade da Califórnia, EUA), A. Koekemoer (Space Telescope Science Institute, em Baltimore, EUA), N. Grogin (Space Telescope Science Institute, em Baltimore, EUA), D. Kočevski (University of Kentucky, EUA) , CJ Conselice (University of Nottingham, Reino Unido), S. Wuyts (Instituto Max Planck de Física Extraterrestre, Garching, Alemanha), A. Dekel (A Universidade Hebraica, em Israel), J. Kartaltepe (NOAO-Tucson, Arizona, EUA), EF Bell (Universidade de Michigan, EUA).
 




Fonte: ESA/Hubble

Formando as galáxias espirais atuais


Usando dados do Telescópio Espacial Hubble da NASA / ESA, os astrônomos, pela primeira vez, criou um censo demográfico de tipos de galáxias e as formas de uma vez antes que a Terra eo Sol existia, até os dias atuais. Os resultados mostram que, ao contrário do pensamento contemporâneo, mais da metade das galáxias espirais de hoje teve chamados formas peculiares apenas 6 bilhões de anos atrás, que, se confirmada, destaca a importância de colisões e fusões no passado recente de muitos galáxias. Ele também fornece pistas para o status único de nossa própria galáxia, a Via Láctea.
Morfologia Galaxy, ou o estudo das formas e formação das galáxias, é um tema crítico e muito debatida na astronomia. Uma ferramenta importante para isso é a seqüência de Hubble Hubble ou diagrama diapasão [1], um esquema de classificação inventado em 1926 pelo mesmo Edwin Hubble em cuja honra o telescópio espacial é nomeado.
Uma equipe de astrônomos europeus liderados por François Hammer of the Observatoire de Paris tem, pela primeira vez, completou um censo demográfico de tipos de galáxias em dois pontos diferentes da história do Universo - com efeito, a criação de duas seqüências do Hubble - que ajudam a explicar como as galáxias formar [2]. Neste estudo, os pesquisadores amostrados 116 galáxias locais e 148 galáxias distantes.
Ao contrário do pensamento anterior, os astrônomos mostraram que a seqüência de Hubble seis bilião anos atrás era muito diferente do que os astrônomos vêem hoje.
"Seis bilhões de anos atrás, havia muitas galáxias mais peculiares do que agora - um resultado muito surpreendente", diz Rodney Delgado-Serrano, autor principal do artigo relacionado publicado recentemente no e destaque na capa da Astronomy & Astrophysics. "Isso significa que nos últimos seis bilião anos, estas galáxias peculiares deve ter se tornado espirais normais, dando-nos uma visão mais dramática do Universo recente do que tínhamos antes."
 Os astrónomos pensam que estas galáxias peculiares, de fato, tornar-se espirais através de colisões e fusão. Traçando a história da formação de galáxias nos leva à forma como o nosso Universo atualmente parece. Como qualquer avaliação de uma vida, não são caóticos, tempos tumultuados e períodos mais inativas e, como muitos adolescentes, muitas vezes em desenvolvimento galáxias colidem com aqueles em seu caminho. Crashes entre galáxias dão origem a enormes novas galáxias e, embora tenha sido comumente acreditavam que as fusões de galáxias diminuiu significativamente oito bilião anos atrás, o novo resultado implica que as fusões ainda estavam ocorrendo com freqüência após esse tempo - até tão recentemente como quatro bilhões de anos atrás.
 "Nosso objetivo era encontrar um cenário que iria ligar a imagem atual do Universo com as morfologias das galáxias distantes, mais velhos - para encontrar o ajuste certo para essa visão intrigante da evolução da galáxia", diz Hammer.
Também ao contrário da opinião generalizada de que a galáxia fusões resultam na formação de galáxias elípticas, martelo e sua equipe de apoio de um cenário em que estes confrontos resultado cósmica em galáxias espirais. Em um trabalho paralelo publicada em Astronomy & Astrophysics [3], Martelo e sua equipe de aprofundar ainda mais a sua "reconstrução espiral" hipótese, que propõe que as galáxias peculiares afetadas por fusões gás ricos estão lentamente renasce como espirais gigantes com discos e bojos centrais.
Embora a nossa própria Via Láctea é uma galáxia espiral, ela parece ter sido poupado grande parte do drama adolescente, a sua história de formação tem sido bastante tranquila e tem evitado as colisões violentas em astronomicamente últimos tempos. No entanto, a grande galáxia de Andrômeda de nosso bairro não teve a mesma sorte e se encaixa bem no cenário de "espiral de reconstrução". Os investigadores continuam a procurar explicações para isso.
Martelo e sua equipe usaram dados do Sloan Digital Sky Survey [4] realizado pela Apache Point Observatory, no Novo México, EUA e do campo de bens e Hubble Ultra Deep Field tomada pela Advanced Camera for Surveys (ACS) a bordo do Hubble.

Notas

 [1] O esquema de Hubble das galáxias regulares divide-se em três grandes classes - elípticas, lenticulares e espirais - com base em sua aparência visual (originalmente em placas fotográficas). A quarta classe contém galáxias com uma aparência irregular.
[2] R. Delgado-Serrano, et al, 2010, Como foi a seqüência de Hubble, 6 Giga-anos atrás?, Astronomy & Astrophysics, 509, A78
[3] F. Martelo et al, 2009, a seqüência de Hubble:.? Apenas um vestígio de eventos de fusão, Astronomy & Astrophysics, 507, 1313
[4] Ao longo de oito anos de atuação, o Sloan Digital Sky Survey (SDSS) obteve imagens profundas, multicor que cobrem mais de um quarto do céu e criaram mapas tridimensionais com mais de 930 000 galáxias e mais de 120 000 quasares. O SDSS usaram um telescópio de 2,5 metros dedicado a Apache Point Observatory, no Novo México, equipado com dois poderosos instrumentos para fins especiais. A câmera de 120 megapixel fotografada 1,5 graus quadrados de céu de uma vez, cerca de oito vezes a área da Lua cheia. Um par de espectrógrafos alimentados por fibras ópticas medidos espectros de (e, portanto, afasta a) mais de 600 galáxias e quasares em uma única observação.

Fonte: ESA/Hubble 

Mão de um Pulsar


Tanto quanto pulsares go, PSR B1509-58 parece jovem. A luz da explosão de uma supernova que deu origem ao que teria atingido primeiro a Terra cerca de 1.700 anos atrás. O magnetizado, 20 km de diâmetro estrela de nêutrons gira sete vezes por segundo, um dínamo cósmico que os poderes de um vento de partículas carregadas. O vento energético cria brilho de raios-X da nebulosa circundante nesta imagem tentadora do Observatório de Raios-X Chandra. Raios-X de baixa energia estão em vermelho, as energias verdes em média e alta energias em azul. O pulsar em si é na região central brilhante. Notavelmente, tentadora, complicada estrutura da nebulosa se ​​assemelha a uma mão. PSR B1509-58 é de cerca de 17.000 anos-luz de distância na constelação Circinus sul. A essa distância a imagem Chandra abrange 100 anos-luz.

Fonte: Astronomy Picture of the Day

A jovem Pulsar Mostra Sua Mão


Um objeto pequeno e denso apenas 12 milhas de diâmetro é responsável por esta bela nebulosa de raios-X que se estende por 150 anos-luz. No centro dessa imagem feita pelo Observatório de Raios-X Chandra da NASA é muito jovem e poderoso pulsar, conhecido como PSR B1509-58, ou B1509 para breve. O pulsar é uma estrela de nêutrons que gira rapidamente, que está vomitando a energia para fora no espaço em torno dele para criar estruturas complexas e intrigantes, incluindo um que se assemelha a uma grande mão cósmica.
Nesta imagem, a menor energia raios-X que o Chandra detecta são o vermelho, o intervalo médio é verde e os mais energéticos são de cor azul. Os astrónomos pensam que B1509 é cerca de 1.700 anos e está localizado a cerca de 17.000 anos-luz de distância.
Estrelas de nêutrons são criadas quando estrelas massivas ficar sem combustível e colapsam. B1509 gira completamente em torno de quase 7 vezes a cada segundo e está liberando energia em seu ambiente a uma taxa prodigiosa - presumivelmente porque tem um campo magnético intenso em sua superfície, estimada em 15 trilhões de vezes mais forte que o campo magnético da Terra.
A combinação de rotação rápida e ultra-forte campo magnético faz B1509 um dos geradores eletromagnéticos mais potentes da galáxia. Este gerador dirige um vento energético de elétrons e íons de distância da estrela de nêutrons. Como os elétrons se movem através da nebulosa magnetizada, eles irradiam para longe a sua energia e criar a nebulosa elaborada visto pelo Chandra.
Nas regiões mais íntimos, um leve círculo envolve o pulsar, e marca o ponto onde o vento é desacelerado rapidamente pela nebulosa expandindo lentamente. Desta forma, B1509 partes algumas semelhanças com a famosa Nebulosa do Caranguejo. No entanto nebulosa do B1509 é 15 vezes maior do que o diâmetro do caranguejo de 10 anos-luz.
Estruturas semelhantes a dedos, estender para o norte, aparentemente energizando nós de material em uma nuvem de gás vizinha conhecida como RCW 89. A transferência de energia do vento para estes nós fá-los brilhar intensamente em raios-X (laranja e características vermelhas no canto superior direito). A temperatura nesta região parece variar em um padrão circular em torno de um anel de emissão, o que sugere que o pulsar precessão pode ser como um pião e varrimento de um feixe de energização em torno do gás na RCW 89.
Marshall Space Flight Center da NASA em Huntsville, Alabama, gerencia o programa Chandra para a Direcção de Missões Científicas da NASA em Washington. O Observatório Astrofísico Smithsonian controla a ciência de Chandra e operações de voo a partir de Cambridge, Massachusetts.

 Fonte: NASA

Nasa capta estrela de nêutrons em "mão cósmica gigante"

Os raios mais fracos (vermelho), intervalo médio (verde) e demais emanações de energia (azul)

A Nasa, agência espacial americana, divulgou em seu site a imagem de um pulsar - estrela de nêutrons pequena e densa - situado na região central de uma nebulosa planetária que possui um formato semelhante a uma grande mão, conforme os cientistas. O PSR B1509-58 foi fotografado pelo telescópio espacial Chandra X-ray em uma zona ocupada pela grande nuvem de gás e poeira, com mais de 150 anos-luz de extensão.
Mesmo sendo pequeno (em torno de 19km de diâmetro), o pulsar emite uma poderosa energia composta por íons e elétrons que é capaz de criar estruturas intrigantes e complexas ao seu redor, como a "mão cósmica" da fotografia. A análise da estrela de nêutrons foi realizada a partir de fotos captadas pelo Chandra X-ray: raios X mais fracos (vermelho), intervalo médio (verde) e demais emanações de energia (azul).
Os pulsares são os restos de estrelas que entraram em colapso, fenômeno também conhecido como supernova. Na maioria das vezes, estas estrelas de nêutrons possuem um campo gravitacional até 1 bilhão de vezes superior ao da Terra. No entanto, o PSR B1509-58 surpreende os astrônomos pela gigantesca energia - a força gravitacional é cerca de 15 trilhões de vezes maior que a do nosso planeta.
De acordo com os cientistas, a combinação de uma rápida rotação com o forte campo magnético do PSR B1509-58 fazem com que ele seja um dos geradores eletromagnéticos mais potentes da galáxia.

Fonte: Terra Networks

Kepler Supernova Remnant


Este é o remanescente de supernova de Kepler, a famosa explosão que foi descoberta por Johannes Kepler em 1604. As cores vermelho, verde e azul mostram os raios-X de baixa, intermediária e alta energia observados com o Observatório de Raios-X Chandra, da NASA, eo campo é estrela do Digitized Sky Survey.
Conforme relatado no nosso comunicado de imprensa, um novo estudo usaram o Chandra para identificar o que provocou a explosão. Ele já havia sido demonstrado que o tipo de explosão foi um chamado supernova Tipo Ia, a explosão termonuclear de uma estrela anã branca. Estas supernovas são marcadores de distância cósmicos importantes para acompanhar a expansão acelerada do Universo.
No entanto, existe uma controvérsia sobre supernovas Tipo Ia. Eles são causados ​​por uma anã branca puxa muito material de uma estrela companheira que se torna instável e explode? Ou será que eles resultam da fusão de duas anãs brancas?
A nova análise Chandra mostra que a supernova Kepler foi desencadeada por uma interação entre uma anã branca e uma estrela gigante vermelha. A evidência crucial de Chandra era uma estrutura em forma de disco, perto do centro do remanescente. Os pesquisadores interpretam essa emissão de raios-X para ser causado pela colisão entre os restos de supernova e do material em forma de disco que a estrela gigante expulso antes da explosão. Outra possibilidade é que a estrutura é apenas os detritos da explosão.
A estrutura do disco visto pelo Chandra em raios-X é muito semelhante na forma e local para observado no infravermelho pelo Telescópio Espacial Spitzer. Esta imagem composta mostra dados do Spitzer nos dados de cor de rosa e Chandra de emissão de ferro no azul. A estrutura do disco é identificado com uma etiqueta.
Esta figura mostra também um composto notavelmente grande e intrigante concentração de ferro de um dos lados do centro da parte remanescente, mas não a outra. Os autores especulam que a causa dessa assimetria pode ser a "sombra" de ferro que foi lançado pela estrela companheira, que bloqueou a ejeção de material. Anteriormente, o trabalho teórico sugeriu este sombreamento é possível que restos de supernovas Tipo Ia.
Os autores também produziu um vídeo que mostra uma simulação da supernova medida que interage com o material expelido pelo companheiro de estrela gigante. Assumiu-se que a maior parte deste material foi expulso em uma estrutura tipo disco, com uma densidade de gás que é dez vezes maior que no equador, da esquerda para a direita, do que nos pólos. Esta simulação foi realizada em duas dimensões, e depois projectadas em três dimensões, para dar uma imagem que pode ser comparado com as observações. A boa concordância com as observações apoia a sua interpretação dos dados.

Fonte: NASA

A Portrait Gallery Quasar


Os quasares (objetos quase-estelares) se encontram perto da borda do Universo observável. Descoberto em 1963, os astrônomos ficaram surpresos de que tais objetos poderiam ser visível através de bilhões de anos-luz, pois isso implica que eles devem emitir quantidades prodigiosas de energia. Onde é que a energia vem? Muitos acreditam motor central do quasar é um buraco negro gigante alimentada por enormes quantidades de gás infalling, poeira e estrelas. Esta galeria de retratos quasar do telescópio espacial Hubble oferece uma olhada em seus bairros locais: os quasares si aparecem como os objetos brilhantes como estrelas com picos de difração. As imagens no centro e colunas mão direita revelar quasares associados interrompido colisão e fusão de galáxias que deve fornecer a abundância de restos para alimentar um buraco negro com fome.

Fonte: Astronomy Picture of the Day

Os mais distantes X-Ray Jet


A imagem de raios-x em falsa cor inserida no canto superior esquerdo revela a emissão de um jato cósmico de partículas de alta energia, 100.000 anos-luz de comprimento, emergindo de quasar GB1508 5714. Estima-se que 12 bilhões (12.000 milhões) de anos-luz de distância, este parece ser o jato energético mais distante no Universo conhecido. Jatos astrofísicos de muitos tamanhos parecem ser produzido em uma variedade de ambientes onde acréscimo significativo, ou infalling assunto é pensado para organizar-se em um disco, de contrair nuvens de formação estelar de buracos negros supermassivos em núcleos galácticos ativos. Aqui, como representado na figura, o disco de acreção é pensado para cercar um buraco negro supermassivo, acelerando partículas a uma velocidade próxima à da luz em dois jatos em ângulo reto com o próprio disco. No caso do presente Quasar, o jacto inclinado para nós é visível nos raios X medida que as partículas colidem com fotões de baixa energia a partir da radiação de fundo. As colisões impulsionar os fótons de altas energias de raios-x e de dispersão alguns deles em nossa direção.

Fonte: Astronomy Picture of the Day

Os Jets X-Ray de XTE J1550


O movimento de jatos ultra-rápidos que disparam para fora de um candidato sistema estelar buraco negro já foram documentados por observações do observatório orbital Chandra de raios-X. Em 1998, o X-ray source XTE J1550-564 passou por uma tremenda explosão. Jatos de material enviado fluindo no espaço perto da velocidade da luz impactado gás existente aquecendo-o tanto que brilhava à luz de raios-X. Os painéis no lado esquerdo do show imagem acima em raios-X que os hot spots ter saído por mais de três anos-luz no tempo desde a explosão, com o jet esquerda recentemente desaparecendo abaixo detecção. O desenho da direita mostra o sistema da estrela binária que provavelmente produziu os jatos de raios-X, com uma estrela vermelha normal, sobre o assunto de dumping esquerda em um disco de acreção em torno do buraco negro no lado direito. Os jatos são pensados ​​para ser emitido ao longo do eixo de rotação do buraco negro.

Fonte: Astronomy Picture of the Day

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...